quinta-feira, 26 de agosto de 2010


MAIS QUE TUDO É AMOR

O que és de mim tão cedo pranto
Por vez em grande amor me ergue
A fazer da solidão um acalanto
Na estranha razão que me persegue...

Razão alheia que me é um tanto
No amado coração que me prossegue
Mais que tudo um estranho canto
Que o da paixão que o faz entregue.

Solidão oculta, oh, amor estranho,
Que por vez não sabe o seu tamanho,
Que não sabe o quanto vos me fere.

Um instante ausente e amargurado
Que nas noites mortas é meu pecado,
Na imensurável razão que o profere.

(Poeta Dolandmay)

2 comentários:

  1. Meu querido Poeta
    Um sentir profundo neste belo poema.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  2. LINDA ,,SIMPLISMENTE LINDA......

    BEJUSS..

    ResponderExcluir