terça-feira, 15 de novembro de 2016


Páginas da vida


Será que um dia serei eu saudade?
Será que um dia, oh, minha vida,
Serei eu honrado em despedida...
Por um momento em vão verdade?

Sem que seja eu uma adversidade
Do oposto ideal em luz fundida?
Sem que o meu amor não se despida
D’uma existência difusa em maldade?

Que se lembrem por tudo que tenho...
Não apenas da foto ou um desenho,
Mas da minh’alma e do meu coração!

Que se lembrem no peito, o meu amor,
Das páginas da vida, o esplendor...
Que eu não seja apenas uma ilusão!

(Dolandmay Walter)

terça-feira, 4 de outubro de 2016


Na luz dos Altos


No dia em que eu nasci à imensidão,
Um notado azul feito o do mar
Fulgiu em meu peito: cor de coração
Não é vermelho se não é amar.

Rugiu em mim, o fantasma escuro,
O qual eu encontrei às trevas-além:
Dos meus céus, sou um servo-zen,
Como um santo real e de verso puro.

Vagueando notas, avejão prisioneiro,
Na escuridão sem voltar à cor:
Da voz da estrada o luar mais cheio.

Dos meus ais, sou inseguro e triste,
Mas desse notado o que existe,
No buscar da vida o meu cerne-amor.

(Dolandmay Walter)

domingo, 25 de setembro de 2016


Paralelo


Não faça de você um estranho
Para que não o vejam com espanto.
Não seja apenas uma luz,
Seja ofusco como o sol que cai na noite
Que, portanto, sendo notado
Será como a lua que nasce branca
E conhecido como o dia.

(Dolandmay Walter)

sexta-feira, 2 de setembro de 2016


Vazio


Silenciosos dias pregados de saudades,
E imaculados, e incandescidos, de ardor;
Quais reprimidos, de vaidades,
Quais gracejados sem mesmo amor,

E de paixões, desejos, de insanidades,
E incompletos, cobertos, sem esplendor;
Quais fiem de tais realidades,
Quais escuros, e puros, a mesma dor...

Julgados, e infinitos, no mesmo arder,
Aos quais me pus enlouquecer
Na imensidão complexa de seus segredos...

Que inovados sejamos, sem mesmo amar,
Que insanos sejamos a vaguear,
Na compreensão finita de vossos medos...

(Dolandmay Walter)

terça-feira, 2 de agosto de 2016


Erros...


Quem diz: é amor demais! Extinta paixão
Que enriquece tristezas, desejos e medo!
Pelo cerne enlouquecido, o coração
Não se impõe de existência um segredo!

Quem diz: é paixão demais! Extinto amor
Que empobrece sorrir, lágrimas e sofrer!
Pela alma corrompida, a dor
Não se absorve de alegria um viver!

Sentimentos complexos e equivalentes,
N’um existir eficaz a consumir o espírito
Por fantasmas vulgares, dependentes,
N’um despertar sem sentir por ser dito:

Amor! Paixão! Desejos loucos e plenitude,
Só se têm; quem se impõe, em virtude!

(Dolandmay Walter)

domingo, 12 de abril de 2015


Ao findar dos dias


Que tantos fossem os meus pecados
Dentro de mim ao rogar os céus...
Que tantos fossem, imaculados
Nos olhares puros dos santos meus!

Que tantos fossem de bens amados
Dentre a alma do querer, meu Deus!
Que tantos fossem, os seus rogados
Sob a imensa luz dos olhos teus...

Que imortais seriam quaisquer bens...
E no vagar da noite, sem ninguém,
Seriam os meus olhos de imenso amor!

Que os dias imprecados de morte,
No meu rogar de alegria, de imensa sorte
Seriam ao findar, sem imensa dor!

(Poeta Dolandmay)

domingo, 1 de março de 2015


Último verso


Por versos, eu te compus, amor!
Por amores verdadeiros, puros...
E te acabei na solidão, eu juro
Que ingênua não será mais essa dor.

Será qual o teu céu de esplendor,
Como a cor dos mamais maduros,
Será como os fantasmas, conjuro,
E da paixão ríspida por uma flor.

Jardins de florais altaneiros, leve,
Branco como um inverno em neve
Será este meu vazio na escuridão...

E nas noites plenas dos teus prazeres
Não ouvirás por melodias, dizeres
Os meus versos de amor e de ilusão!

(Poeta Dolandmay)

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015


Amar?


Amar não é somente beijar
ou deixar se influenciar
por uma face bonita; (fazer amor).
Amar também é compartilhar
as dores e os problemas;
é ajudar sem ao menos esperar
um outro querer amar.

(Poeta Dolandmay)

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014


Orgulho

O orgulho pode nos trazer o desprezo e a solidão.

(Poeta Dolandmay)

domingo, 22 de dezembro de 2013


Abstruso, amor...

Nada do que foi um dia será de volta
Nem algum amor complexo, puro,
O que foi desejo intenso, e seguro
Que nada voltará a ser paixão revolta!

Que entendo o pescador à vara que solta...
Que ao criador das águas, impuro
Por os teus olhos de feito escuro,
Por o mar azul de fulgor a minha porta...

Que o amor nos seja honrado!
Que nada nos seja de tristeza e de pecado,
Mas de pulsar intenso ao coração!

Que então, amor, ao meu corpo,
Que não seja o seu desejo implexo, absorto,
Mas que seja eterno sem ser vão!...

(Poeta Dolandmay)

sexta-feira, 22 de novembro de 2013


Depressão

Sozinho, no escuro, vazio viver
Sem ninguém a te enxergar...
Como é bom sentir que de você
Não há ninguém a desventurar...

Sem cor e sem por quê
Nem mesmo o amor encontrar...
Não tendo culpa o sofrer
Nem mesmo o peito a amar...

Deitar ao chão do mesmo bem,
Murmurar, o que não se tem
Em sua já própria expressão...

E ouvir os fantasmas de antes
Em suas vozes, já distantes
Num cantar sem viver a ser vão!...

(Poeta Dolandmay)

Ninguém mais que ninguém

Por que, oh, vida? Por que me deixou
nesse mundo egoísta e sem fulgor?
Nessa terra negra de injustiça onde miseráveis
se idolatram como que nesse mundo vivessem...
— Porcos imundos que sozinhos se afligem —
que não sabem nada do que é viver...
Ricos, pobres, bonitos, feios, negros, brancos...
(Ninguém mais que ninguém)
Do amor, os desejo a justiça e a sabedoria
mesmo fugidias e exaustivas de mim;
porque eu não sei quem sou nesse mundo,
quais todos, ao mesmo pecado em cumprir...

(Poeta Dolandmay)

quinta-feira, 7 de novembro de 2013


Filosofando

De loucuras fazemos o amor;
do amor que os loucos vivem...

(Poeta Dolandmay)

terça-feira, 5 de novembro de 2013


Extensão indefinida

Que não sejamos conspirados nem forçados a amar
o que não nos faz justo. Que o amor nos seja livre da inveja
e da ignorância. Que não inventemos o despeito alheio
para benefícios e glórias que não nos (caibam) ao espírito.

(Poeta Dolandmay)

segunda-feira, 4 de novembro de 2013


Eis o mal do mundo...

Tudo é uma troca! Por quê?
Sentir sem sentir... dar pra receber!
Não! doar por amor...
Receber, consequências...

(Poeta Dolandmay)

quarta-feira, 30 de outubro de 2013


Pós-dia

Por que se tem nesse mundo o segredo
Se que vivem por os deuses implorar
Vida sem noite e amor com luar
Na estrada em que seguem sem medo?

Olhem a morte que lá vem cedo!
Por anjos falam os que vêm encontrar
Paixão sem tempo e tempo sem ar
No fogo intenso sobre lança sem credo...

Seria o saber do que não se sabia, seria?
Forjar fortunas sem ação de morrer
E viver sem viver o que nunca se sente...

Por que rara cobra ao sol deveria
Atentar o despeito sem que fosse o temer
Do futuro em se exceder o presente?

(Poeta Dolandmay)

quarta-feira, 23 de outubro de 2013


Metamorfose

Saber dizer,
Desprezar sofrer,
Loucuras puras,
Amor tanto;
Compreender é vida...

Voz erguida,
Paixão encanto,
Lua alvura,
Desejo amar;
Sem ser vão, viver...

Qual sol amor;
Cantar fulgor
E, (igual), enternecer...

(Poeta Dolandmay)

sexta-feira, 18 de outubro de 2013


Da paixão ao fogo

Enlevado afeto que ao profano sente
O beijo em fogo no queimar a pele,
Que no fulgir paixão em corpo vele
O desejo arder no cumprir da gente!

E findar ardor que não for contente
No aventurar de luz, e, por aquele,
Se desdenhe em sede ao ardil mobele
No enlevar em flor o beijar ardente!

Que do suposto, aventura se vigore!
No acender a chama em mais primor,
De eloquente a cobardia se devore!

E no exaltar tão mais profundo ardor,
Que em disfarce gentil, implore
No emular mais alto, (o vosso amor!)

(Poeta Dolandmay)

quarta-feira, 9 de outubro de 2013


Canção do amor em paz

Porque ao mundo é pra amar
Da forma que se convém
Mesmo se triste se encontrar
Porque à vida o sol se vem
De forma que se faz brilhar
Mesmo sem ter o mesmo bem...

Porque em tudo faz cantar
De forma simples pra sorrir
A buscar o amor cumprir
Mesmo sem ter o mesmo ar...

Se talvez fosse ao esplendor
Se tivesse em tudo o mesmo amor
E toda vontade fosse a mais
Aos prantos não teria a dor
Seria o chorar de amar em paz...

Pra que seja então cumprido
O amor cheio e infinito
Em tudo aquilo que não se tem
Há de buscar em luz viver
Cantar, sorrir, chorar também
E a todo amor compreender...

(Poeta Dolandmay)